Restauro da Igreja Nossa Senhora das Dores em Cachoeira do Campo-MG, está na fase final e igreja será entregue a comunidade no próximo dia 08/10.

Fotos-Restauração da Igreja de Nossa Senhora das Dores, em Cachoeira do Campo
Divulgação Marcelo Tholedo – ASCOM/PMOP

O restauro da Igreja Nossa Senhora das Dores, em Cachoeira do Campo, chega à sua reta final e traz de volta pinturas escondidas por décadas sob várias camadas de tinta no forro e nas paredes. Custeada integralmente com recursos do Fundo Municipal do Patrimônio (Funpatri), no valor de R$ 970 mil, a obra deverá ser concluída e entregue em outubro e mostra o efetivo investimento da municipalidade na preservação dos bens culturais do município, informa o secretário municipal de Cultura e Patrimônio de Ouro Preto, Zaqueu Astoni Moreira.

Tombada pelo município em novembro de 2010 e alvo de reparos no telhado no ano seguinte, a igreja ganhou, na sequência, um projeto arquitetônico para recuperação e um pedido dos moradores ao Conselho Municipal do Patrimônio Cultural (Compatri) para colocá-lo em prática.

Na primeira fase, ao custo de R$ 380 mil, foram executados os serviços de recuperação do piso, paredes e esquadrias, implantação de manta de proteção sob a cobertura, troca de telhas, preenchimento de trincas e drenagem no entorno. Além desse pacote de obras civis, a equipe cuidou da parte elétrica, sonorização e Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA). A segunda fase, em andamento, compreende os elementos artísticos, no valor de R$ 590 mil, e vem sendo acompanhada pela arquiteta da Prefeitura, Débora Queiroz.

Construída em 1761 para as cerimônias da Semana Santa, a Igreja Nossa Senhora das Dores tem no forro o maior destaque. O que chama logo a atenção de quem entra é a ornamentação com os 15 painéis da nave, de inspiração medieval, representando a Paixão de Cristo, do horto das oliveiras à ressurreição.

Muitas histórias e lendas rondam a história da igreja. A imagem da santa de roca, conforme a tradição oral, chegou a Cachoeira do Campo em meados do século XVIII portando várias joias, que desapareceram.

No mês de agosto de 2017 os alunos do CAIC puderam acompanhar de perto o trabalho de restauro com uma visita guiada junto a Igreja, dentro da programação da jornada do patrimônio cultural.

Texto-Assessoria de Comunicação/Prefeitura Municipal de Ouro Preto

Apoio Cultural.: