Semana Santa em Ouro Preto-MG: Confira a programação completa dos atos solenes

As paróquias de Nossa Senhora da Conceição e Nossa Senhora do Pilar divulgam a programação completa dos atos solenes e piedosos da Semana Santa em Ouro Preto-MG, confira:

Foto-Arquivo/Jornal Voz Ativa – Ouro Preto – MG

Solenes e piedosos atos da Semana Santa

Paróquia Nossa Senhora da Conceição
Paróquia Nossa Senhora do Pilar

Ouro Preto – Minas Gerais

Ano 2019

A Paróquia Nossa Senhora da Conceição, juntamente com a Irmandade do Santíssimo Sacramento e a Paróquia Nossa Senhora do Pilar, com ardente piedade, convida todo o povo de Deus, paroquianos, ouro-pretanos e visitantes para participarem dos piedosos e solenes atos da Semana Maior, durante a qual celebramos, na liturgia e na vida, os mistérios da Sagrada Paixão e Morte e da triunfal Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo.

São mais de três séculos de uma vida de tradição e de fé que se traduzem em arte, beleza e devoção, contribuindo para a maior glória de Deus, engrandecimento do Seu Santíssimo Nome e propagação do Seu Reino de paz, de justiça, de amor e de fraternidade.

Como uma nova Jerusalém, as ladeiras seculares de Ouro Preto se enfeitam para a passagem do Senhor que carregou sobre Si os nossos pecados e de Sua Mãe Imaculada, cujo coração foi transpassado por uma espada de dor. Ornados estejam ainda mais os nossos corações para celebrar tão grandes mistérios da nossa salvação, neste que é o centro e o cume de todo o Ano Litúrgico.

 Paróquia Nossa Senhora da Conceição
1707 – 2019

Paróquia Nossa Senhora do Pilar
1712 – 2019

Mais de três séculos juntas, evangelizando com Maria!

“Surrexit, non est hic! ”

Ressuscitou, não está aqui! (Mc 16,6)

Essas palavras cheias de esperança ressoam pelos séculos afora e enchem os nossos corações de alegria, pois temos a certeza que o Senhor venceu a morte e destruiu para sempre o aguilhão do pecado.

Como as santas mulheres na manhã do primeiro dia, somos chamados cada ano a contemplar o sepulcro vazio, pois nada pode conter Aquele que é o Senhor da Vida. “Ele não está aqui”, diz o Anjo refulgente; não está no sepulcro, mas está entre nós, vivo na Eucaristia, em Corpo, Sangue, Alma e Divindade, e nos convida a viver a experiência pessoal com Ele, sobremaneira a cada domingo. Páscoa semanal.

É de novo o primeiro dia; a criação recomeça renovada, santificada e purificada no Sangue do verdadeiro Cordeiro Pascal. “A obra da redenção, realizada na plenitude dos tempos, ultrapassa em grandeza a obra da criação, realizada no princípio”. (Cf. Liturgia da Vigília Pascal). Toda a criação se renova: o Fogo Novo ilumina os ângulos escuros do nosso ser, uma nova coluna luminosa, agora produzida de “cera virgem de abelha generosa”, nos conduz à Luz verdadeira, como que a indicar que toda a criação transborda da alegria pascal. Exultam os anjos no céu e os homens celebram na terra a vitória de Cristo. Conosco rejubilam os Santos e a excelsa Mãe de Deus, a “Regina Coeli”, porque o Senhor ressuscitou verdadeiramente como disse: eis o centro e a razão da nossa fé!

A todos os paroquianos, ouro-pretanos e visitantes nossos votos mais sinceros de feliz e santa Páscoa, na alegria do Senhor Ressuscitado!

Côn. Luiz Carlos Cesar Ferreira Carneiro

Pe. Marcelo Moreira Santiago

Setenário das Dores de Nossa Senhora

06 a 12 de abril

Associada plenamente a Cristo em toda a sua vida, a Virgem Maria também o foi em seu sofrimento; por isso, antecedendo à Semana Maior, a piedade popular medita as suas Sete Dores. Essa devoção chegou às Minas Gerais pelo carisma dos Servos de Maria, cuja Ordem Terceira se instalou em Ouro Preto na segunda metade do século XVIII. Na Paróquia de Antônio Dias, inicialmente entronizou-se uma imagem da Senhora das Dores no altar de São João Batista na Matriz, e depois construiu-se uma igreja dedicada à mesma Senhora. Daquele singelo e despojado templo é que se irradiaria sobremaneira tal devoção, que viria a encontrar tamanha acolhida na alma do povo mineiro.

Sexta-Feira das Dores
12 de abril

19h- Missa na igreja de Nossa Senhora das Dores. Em seguida, último dia do Setenário das Dores, após o qual a imagem da Virgem Dolorosa será conduzida em procissão até a igreja de Nossa Senhora das Mercês e Misericórdia (Mercês de cima). À entrada da imagem, canto do “Inflammatus”.

Sábado dos Passos
13 de abril

Entre as mais expressivas representações de Cristo, ocupa um lugar singular na piedade do povo a figura do Senhor dos Passos, representando o Salvador do Mundo, arquejante sob a sua cruz, isto é, o Cristo Sofredor em seus passos do Pretório de Pilatos até o Calvário. Na Procissão do Depósito, que vai da Paróquia do Pilar para a Paróquia da Conceição, a imagem é envolta em panos roxos, cor litúrgica deste tempo, o que na tradição significa que o julgamento de Cristo se deu às ocultas. Entrando na igreja, o velário é retirado e a imagem exposta à veneração dos fiéis.

19h- Missa na Basílica de Nossa Senhora do Pilar. Em seguida, Procissão do Depósito de Nosso Senhor dos Passos até a igreja de Nossa Senhora das Mercês e Perdões (Mercês de baixo). À entrada da imagem, canto do “Popule meus”.

“Com efeito, o processo e a Paixão de Jesus continuam no mundo de hoje e são renovados por cada pessoa que, entregando-se ao pecado, não faz outra coisa a não ser prolongar o brado: ‘Este não, mas Barrabás! Seja crucificado! ’”.
(São João Paulo II – Homila do Domingo de Ramos, 1999).

 Domingo de Ramos e da Paixão
14 de abril

A liturgia deste Domingo apresenta uma dualidade dramática: o mesmo povo que aclama Jesus com gritos de “Hosana” e ramos de oliveira, pouco depois, pede a sua morte, gritando “Crucifica-O! Crucifica-O! ”. Pela manhã, aclamamos o “Rei de Israel”; à tarde acompanhamos seu caminho de dor e de amor.

07h30- Início da Missa, com Bênção e distribuição de ramos na igreja de São Francisco de Assis e procissão litúrgica até a igreja de Nossa Senhora das Mercês e Perdões (Mercês de baixo), onde se dará continuidade à Santa Missa Solene.

Um dos momentos mais comoventes das para-liturgias da Semana Santa é a memória do encontro de Jesus com Maria no caminho do Calvário. Embora não seja descrito literalmente nos Evangelhos, esse acontecimento fica implícito nas entrelinhas, uma vez que é fato que a Virgem estava de pé, diante da Cruz do Senhor no Calvário. Na tarde do Domingo de Ramos e da Paixão, duas procissões distintas partem para convergir na Praça Tiradentes, centro histórico de Ouro Preto.

Ali os fiéis ouvem o “Sermão do Encontro” e depois continuam em procissão pelas ruas centenárias, percorrendo os “Passos da Paixão”, pequenas ermidas, representando os momentos principais da Paixão de Cristo. Ali se depõe o Santo Lenho, fragmento mínimo da Vera Cruz, e ouvem-se os “Motetos de Passos”, que são trechos curtos da Escritura alusivos à Paixão, cantados em latim. Completam esse cenário barroco os acordes das bandas de música, as nuvens de incenso e os plangentes dobres dos sinos, à medida que a Procissão vai passando diante de cada igreja.

16h- Missa na igreja de Nossa Senhora das Mercês e Perdões (Mercês de baixo). Em seguida, saída da imagem de Nosso Senhor dos Passos em procissão até a Praça Tiradentes.

16h- Missa na igreja de Nossa Senhora das Mercês e Misericórdia (Mercês de cima). Em seguida, saída da imagem de Nossa Senhora das Dores em procissão até a Praça Tiradentes.

À chegada das imagens, na Praça Tiradentes, “Sermão do Encontro do Divino Salvador com Sua Mãe Santíssima”. Em seguida, a piedosa procissão continuará percorrendo os Passos da Paixão até a Basílica de Nossa Senhora do Pilar, onde, à entrada das imagens, dar-se-á o “Sermão do Calvário”.

Segunda-Feira Santa
15 de abril

19h- Via Sacra saindo do Espaço Celebrativo do Santuário de Nossa Senhora da Conceição e percorrendo o entorno da mesma igreja.

Terça-Feira Santa      
16 de abril

A palavra soledade significa extrema solidão, acompanhada de profunda tristeza e angústia. Assim, surgiu o costume da Procissão da Soledade, que revive o caminho de Nossa Senhora de volta do sepulcro, onde depusera o corpo de seu Filho. Ao longo desse caminho, ela teria recordado tudo o que Jesus sofreu na Via Dolorosa, enquanto em seu coração se aterrava ainda mais a espada de dor, profetizada por Simeão.

Por essa razão, na tradição, costuma- se seguir o trajeto inverso ao do Encontro, percorrendo os mesmos passos de dor que Mãe e Filho haviam experimentado; porém agora Ela vai sozinha, e o seu Jesus está apenas em seu coração materno dilacerado pela soledade. Em cada Passo, ouvem-se os “Motetos de Dores”, passagens bíblicas cantadas em latim, alusivas ao sofrimento da Mãe de Deus, na Paixão do Seu Filho e Senhor Nosso.

19h- Missa na Basílica de Nossa Senhora do Pilar. Em seguida, Procissão da Soledade de Nossa Senhora, conduzindo a imagem de Nossa Senhora das Dores e revivendo a tradição de percorrer os Passos da Paixão, até a igreja de São Francisco de Assis. À entrada da imagem, canto do “Inflammatus”.

Quarta-Feira Santa
17 de abril

A cerimônia do Ofício de Trevas não é uma apresentação musical, nem mesmo uma para-liturgia. Esta é uma celebração litúrgica, pois trata-se da Liturgia das Horas — o Breviário — cantado na forma extraordinária da liturgia romana, nunca abolida e resgatada pelo ‘Motu Próprio Summorum Pontificum’ do papa emérito Bento XVI.

Trata-se das Matinas e Laudes de Quinta-Feira Santa, antecipadas para a noite de quarta. Os responsórios, salmos e lições cantam o drama da Paixão, em que o Senhor, depois de instituir a Eucaristia, vai para o Monte das Oliveiras, é abandonada pelos Seus, traído por Judas, preso e condenado pelo Sinédrio. O gradativo apagar das velas e luzes dá à cerimônia um caráter dramático e, ao mesmo tempo, solene, como é característico do estilo barroco.

19h- Missa na igreja de Nossa Senhora das Mercês e Perdões (Mercês de baixo). Em seguida, solene canto do Ofício de Trevas.

“Ele [Jesus] ‘sabia que tinha chegado a Sua hora de passar deste mundo para o Pai’. Sabia que fora traído e que seria entregue por Judas naquela mesma noite. ‘Tendo amado os Seus, que estavam no mundo, amou-os até ao fim’. Deus ama assim: até o fim. Entrega a vida por cada um de nós, orgulha-se disto e deseja isto porque Ele tem amor; amor até ao fim. ” (Francisco – Homilia da Missa da Ceia do Senhor, 2017).

Sagrado Tríduo Pascal

Quinta-Feira  Santa
18 de abril

Instituição da Eucaristia, do Mandamento Novo e do Sacerdócio Ministerial Católico

Estamos na véspera da Paixão do Senhor e Ele, para fazer-se presente para sempre entre nós, reúne-Se com os Seus Apóstolos e institui a Santíssima Eucaristia, Sacramento do Seu Corpo e do Seu Sangue, Sua presença real no mundo até a consumação dos tempos. Ao dar-lhes a ordem “Fazei isto em Minha memória”, Jesus instituiu o sacerdócio ministerial. É também naquela Ceia que o Divino Mestre dá os Seus discípulos a suprema lição de humildade, lavando-lhes os pés, como faziam os servos, pois ‘tendo amado os Seus que estavam no mundo, amou-os até o fim’.

Ainda à mesa, numa convivência entre amigos, Jesus instituiu o Novo Mandamento do Amor, ensinando que a caridade fraterna resume toda a lei, e que os Seus seguidores devem amar aos seus irmãos da mesma forma com que Ele nos amou, isto é, até o dom de si mesmo. Daquela Ceia, o Redentor do Mundo parte para o Monte das Oliveiras, onde será traído, preso e conduzido ao injusto julgamento ainda nesta noite.

18h- Na igreja de São Francisco de Assis, Missa Solene “In Coena Domini” — da Ceia do Senhor — com o “Sermão da Eucaristia”, Transladação do Santíssimo Sacramento e Desnudação dos Altares.

20h- Em frente à igreja de São Francisco de Assis, “Sermão do Mandatum” e cerimônia do Lava-Pés.

Sexta-Feira Santa
19 de abril

Sagrada Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo Dia de jejum, abstinência, silêncio e oração

Em silêncio nos aproximamos do Senhor Crucificado, padecente por amor de nós, e beija-nos Seu Santo Madeiro. Até os sinos emudecem em sinal de luto e de respeito; em seu lugar, só se ouvem as matracas, que, de algum modo, lembram as pancadas secas que pregaram o Redentor do Mundo ao madeiro da cruz. Pela manhã, acontece a meditação das últimas palavras do Senhor Crucificado. À tarde, a celebração mais importante, na qual ouvimos a história da Paixão, beijamos a Santa Cruz e nos aproximamos do Pão da Vida, comungando a Reserva Eucarística, consagrada na noite anterior. Por fim, ao cair da noite, tem lugar a tocante para-liturgia do Descendimento da Cruz e a procissão do Enterro, silenciosa, dolente e, simultaneamente, solene, percorrendo as ladeiras históricas de Ouro Preto.

09h- Na igreja de Nossa Senhora das Mercês e Perdões (Mercês de baixo), “Sermão das Sete Últimas Palavras do Divino Redentor na Cruz”.

15h- Na hora sagrada em que Nosso Senhor Jesus Cristo padeceu pela nossa salvação, na igreja de Nossa Senhora das Mercês e Perdões (Mercês de baixo), Solene Ação Litúrgica: Liturgia da Palavra, Adoração do Cristo na Cruz e distribuição da Santíssima Eucaristia.

19h- Em frente à igreja de São Francisco de Assis, apresentação do figurado bíblico.

20h- “Sermão do Descendimento da Cruz”. Em seguida, piedosa Procissão do Enterro, conduzindo as imagens do Senhor Morto e da Virgem Dolorosa até a igreja de Nossa Senhora do Rosário.

“A dolorosa Paixão do Senhor Jesus não pode deixar de mover à piedade mesmo os corações mais duros, porque constitui o ápice da revelação amor de Deus por cada um de nós. […] Nesta noite, detenhamo-nos a contemplar o seu rosto desfigurado: é o rosto do Homem das dores, que assumiu todas as nossas angústias mortais. O seu rosto reflete-se no de cada pessoa humilhada e ofendida, doente e atribulada, só, abandonada e desprezada. Derramando o Seu Sangue, resgatou-nos da escravidão da morte, quebrou a solidão das nossas lágrimas, entrou em cada uma das nossas penas e aflições. ” (Papa Emérito Bento XVI – Conclusão da Via Sacra no Coliseu de Roma, 2009).

Sábado Santo
20 de Abril

Vigília Pascal, a mãe de todas as vigílias

Durante todo o dia ainda prevalece o silêncio, enquanto o Rei do Universo dorme no sepulcro. À noite, a Igreja reveste-se de toda pompa, para aguardar o instante mais sublime da História, quando o Senhor Jesus Cristo sai vitorioso do sepulcro, despedaçando as cadeias da morte. Iluminados pelo Fogo Novo, acendemos as chamas da fé, proclamamos as maravilhas de Deus, cantando o “Exultet”, ouvimos atentos Sua Palavra de vida e salvação e, inebriados de alegria pascal entoamos o vibrante hino do Glória, enquanto os sinos quebram o silêncio da Paixão. Segue-se o jubiloso Aleluia, omitido da liturgia desde o início da Quaresma, e a Liturgia Batismal, pela qual a Igreja faz nascer seus novos filhos e filhas. Por fim, celebramos o Santo Sacrifício, a Eucaristia, pela qual entramos em plena comunhão com o Ressuscitado.

19h- Na igreja de Nossa Senhora das Mercês e Perdões (Mercês de baixo), soleníssima Vigília Pascal: Bênção do Fogo Novo, Preparação do Círio Pascal, canto do “Exultet”, Liturgia da Palavra, Liturgia Batismal e Liturgia Eucarística.

Domingo da Páscoa
21 de abril

Triunfal Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo

“Este é o dia que o Senhor fez para nós” (Sl 117). Tudo é festa e alegria, na celebração da vitória de Cristo sobre o pecado e a morte, pois hoje Ele “abriu para nós as portas da eternidade”. Coloridos tapetes de serragem enfeitam as ruas centenárias, os sinos se alegram em festivos repiques e todo o povo é convidado a acompanhar o Senhor Ressuscitado, presente na Hóstia Consagrada, que passará pela cidade abençoando a todos. À noite, justa homenagem à Senhora do Céu e da Terra, que sofreu com o seu Filho, para com Ele exultar de alegria na manhã da Santa Páscoa: “Regina Cœli lætare, alleluia! ”. Tudo se conclui com o grande hino de louvor a Deus, “Te Deum laudamus”, quando nós, unidos aos Anjos e Santos exaltamos ao Deus de toda Majestade.

07h- Na igreja de São Francisco de Assis, Missa festiva. Em seguida, jubilosa procissão da Ressurreição, conduzindo o Cristo vivo e ressuscitado, presente no Santíssimo Sacramento, até a igreja de Nossa Senhora do Rosário. À chegada, bênção solene do Santíssimo Sacramento e Missa.

19h- Na igreja de São Francisco de Assis, Missa Solene, coroação de Nossa Senhora em seu triunfo e canto do “Te Deum”, encerrando as celebrações da Semana Maior.

Trajetos das Procissões

Depósito de N. Sra. das Dores, sexta-feira, 12 de abril: Igreja de N. Sra. das Dores, ruas Tenente Pereira Filho, Bárbara Heliodora, Largo Marília de Dirceu, ruas Bernardo de Vasconcelos, Cláudio Manoel (Rua do Ouvidor), Praça Tiradentes e rua Pe. Rolim, até a igreja de N. Sra. das Mercês e Misericórdia (Mercês de cima).

Depósito de N. Sr. dos Passos, sábado, 13 de abril: Basílica de N. Sra. do Pilar, Praça Américo Lopes, ruas do Pilar, Paraná, Conde de Bobadela (Rua Direita), Praça Tiradentes, rua Cláudio Manoel (Rua do Ouvidor), Largo de Coimbra e rua das Mercês, até a igreja de N. Sra. das Mercês e Perdões (Mercês de baixo).

Encontro, domingo, 14 de abril

Senhor dos Passos: Igreja de N. Sra. das Mercês e Perdões (Mercês de baixo), ruas das Mercês, São Francisco de Assis, Cláudio Manoel (Rua do Ouvidor) e Praça Tiradentes.

Senhora das Dores: Rua Pe. Rolim e Praça Tiradentes.

Após o Sermão: Praça Tiradentes, rua Conde de Bobadela (Rua Direita), Praça Reinaldo Alves de Brito, rua São José, Praça Silviano Brandão, rua Getúlio Vargas, Largo do Rosário, ruas Donato da Fonseca, Conselheiro Santana e Praça Mons. João Castilho Barbosa até a Basílica de N. Sra. do Pilar.

Soledade de Nossa Senhora, terça-feira, 16 de abril Basílica de N. Sra. do Pilar, Praça Mons. João Barbosa, ruas Conselheiro Santana, Donato da Fonseca, Largo do Rosário, rua Getúlio Vargas, Praça Silviano Brandão, rua São José, Praça Reinaldo Alves de Brito, rua Conde de Bobadela (Rua Direita), Praça Tiradentes, ruas Cláudio Manoel (Rua do Ouvidor) e São Francisco de Assis, até a igreja de São Francisco de Assis.

Enterro do Senhor, sexta-feira, 19 de abril: Igreja de São Francisco de Assis, ruas São Francisco de Assis, Cláudio Manoel (Rua do Ouvidor), Praça Tiradentes, rua Conde de Bobadela (Rua Direita), Praça Reinaldo Alves Brito, rua São José, Praça Silviano Brandão, rua Getúlio Vargas e Largo do Rosário até a igreja de N. Sra. do Rosário.

Ressurreição do Senhor, domingo, 21 de abril: Igreja de São Francisco de Assis, Largo de Coimbra, rua Cláudio Manoel (Rua do Ouvidor), Praça Tiradentes, rua Conde de Bobadela (Rua Direita), Praça Reinaldo Alves Brito, rua São José, Praça Silviano Brandão, rua Getúlio Vargas, Largo do Rosário até a igreja de N. Sra. do Rosário.

Clérigos Presentes

Dom Francisco Barroso Filho, Bispo Emérito de Oliveira; Côn. Agostinho de Lourdes Coimbra de Oliveira, pároco emérito da Paróquia Cristo Rei de Ouro Preto; Pe. Luiz Carlos Ferreira, pároco da Paróquia Santa Efigênia em Ouro Preto; Pe. Magno José Raimundo Murta, pároco da Paróquia Cristo Rei em Ouro Preto; Pe. Vander Sebastião Martins, Vigário Paroquial da Paróquia N. Sra. da Conceição em Ouro Preto; Pe. Rogério Augusto de Oliveira, vigário paroquial da Paróquia N. Sra. do Pilar em Ouro Preto; Pe. José Carlos dos Santos, vigário paroquial da Paróquia Santa Efigênia em Ouro Preto; Pe. Paulo Henrique Ribeiro Mariano, pároco da Paróquia N. Sra. do Amparo em Amparo do Serra; Pe. Luiz Antônio Reis Costa, Pároco da Paróquia São Gonçalo do Amarante em Catas Altas da Noruega; Pe. Frederico Martins e Silva, reitor do Seminário Provincial de Diamantina; Frei Alécio Maria Azevedo, OSM, da Paróquia N. Sra. da Conceição, em Sena Madureira-AC; Pe. João Carlos Chini, colabora- dor da Paróquia N. Sra. do Pilar em Ouro Preto; Diác. Agostinho Barroso de Oliveira, colaborador da Paróquia N. Sra. da Conceição em Ouro Preto.

Parte Musical

Coral e Orquestra São Pio X; Coral Sant’Ana; Coro e Orquestra Dom Oscar de Oliveira; Coral Tom Maior de Mariana; Grupos de Canto das Paróquias N. Sra. da Conceição e N. Sra. do Pilar; Corporação Musical Sr. Bom Jesus de Matosinhos; Corporação Musical Sr. Bom Jesus das Flores.

Homenagem Paróquia Santa Efigênia de Ouro Preto

Pelo seu Jubileu de Prata de instalação, desmembrada da Paróquia N. Sra. da Conceição em 15 de agosto de 1994. “Perseveravam na doutrina dos Apóstolos, e na comunhão, na fração do pão, e nas orações. ” (At 2,42).

Homenagem Póstuma

Côn. José Feliciano da Costa Simões. Pelos 10 anos de seu falecimento, depois de décadas como pároco de N. Sra. do Pilar nesta cidade. “A vida dos justos está nas mãos de Deus. Aos olhos dos insensatos parecem ter morrido, mas eles estão em paz. ” (Sb 3,1-3)

Notas e Confissões

  1. Horários de Confissões individuais durante a Semana Santa: Terça e Quarta-Feira Santas, de 15h às 17h no Espaço Celebrativo do Santuário de Nossa Senhora da Conceição.
  2. Convidamos de maneira especial para as celebrações e procissões as Ordens Terceiras e Irmandades da cidade de Ouro Preto, com seus hábitos e insígnias.
  3. Os tapetes para a passagem da Procissão da Ressurreição têm cunho única e exclusivamente devocional, razão pela qual devem ser decorados apenas com motivos religiosos.

Sinceros Agradecimentos

Prefeitura Municipal de Ouro Preto, Secretaria Municipal de Cultura e Patrimônio, Secretaria Municipal de Turismo, Comércio e Indústria, Secretaria Municipal de Obras e Urbanismo, Departamento de Limpeza Urbana, Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Guarda Municipal, Ourotran, FAOP, órgãos de imprensa em geral, Ordens Terceiras, Irmandades, Associações, Movimentos, Pastorais, Coroinhas, Sineiros, Sacristães, Zeladores, Ornamentadores, Corais, Orquestras, Corporações Musicais, Figurado Bíblico, Clérigos presentes e todas as pessoas que de alguma maneira colaborarem para a digna realização dos atos da Semana Maior.

Visto e Aprovado

Côn. Luiz Carlos Cesar Ferreira Carneiro – Pároco e Reitor do Santuário Arquidiocesano de Nossa Senhora da Conceição.

Pe. Marcelo Moreira Santiago – Pároco e Reitor da Basílica de Nossa Senhora do Pilar.

Irmandade do Santíssimo Sacramento Conselho Paroquial de Pastoral.

Apoio Cultural.: 

                        Guia Cachoeira do Campo, Ano 10, Dez anos dessas histórias e estórias que nos encantam!